Projeto novo no youtube


Queridos alunos, estamos vivendo um momento novo para todos nós, mas não deixa de ser um grande momento de reflexão e crescimento. Toda crise traz evolução e tenho certeza que nessa não será diferente. O mundo inteiro está lutando contra esta pandemia e muitas pessoas estão sofrendo a perda de seus entes queridos. Qualquer outro prejuízo que tenhamos, pode, com o tempo, ser superado, desde que estejamos saudáveis e amparados pelos nossos familiares. Diante de tudo isso, gostaria de me colocar à disposição de todos vocês. Nesse canal estarei postando, toda semana, videoaulas, dicas para o ENEM, vestibulares, olimpíadas de química, sugestões culturais, curiosidades e muito mais. Além de todos os cuidados protocolares para a não proliferação do vírus, peço a todos que se mantenham em casa e focados em seus estudos. Procure atualizar as informações e notícias, sobre a crise, com especialistas da área e fontes jornalísticas confiáveis. O importante é estarmos juntos, mesmo que de forma virtual.

É de extrema importância para o esse projeto que você se inscreva no novo canal, para que receba todas as semanas as aulas, vídeos e orientações que serão postadas.

https://bit.ly/2WEwPqQ

Aguarde as novidades do canal.

U2

Suspensão das aulas

Resultado de imagem para paralização das aulas coronavirus

Queridos alunos, estamos vivendo um momento novo para todos nós, mas não deixa de ser um grande momento de reflexão e crescimento. Toda crise traz evolução e tenho certeza que nessa não será diferente. O mundo inteiro está lutando contra esta pandemia e muitas pessoas estão sofrendo a perda de seus entes queridos. Qualquer outro prejuízo que tenhamos, pode, com o tempo, ser superado, desde que estejamos saudáveis e amparados pelos nossos familiares. Diante de tudo isso, gostaria de me colocar à disposição de todos vocês. Aqui no blog, você encontrará meus contatos nas redes sociais e muito material para antecipar seus estudos. Vou aguardar o posicionamento de cada uma das instituições que trabalho, mas pretendo disponibilizar aulas, listas e videoaulas para auxiliá-los durante este período. Além de todos os cuidados protocolares para a não proliferação do vírus, peço a todos que se mantenham em casa e focados em seus estudos. Procure atualizar as informações e notícias, sobre a crise, com especialistas da área e fontes jornalísticas confiáveis.  

Nunca esqueçam que a suas vidas e de seus familiares têm que estar acima tudo e que as nossas ações devem priorizar o coletivo e não o individual. Tenham certeza que sairemos dessa crise como seres humanos melhores.

“O importante é estarmos juntos…”

Alexander Diniz

Luminescência

Fonte: http://www.scienceclarified.com/uvminerals.org/www.explainthatstuff.com/www.encyclopedia.com

Luminescência – Conceito

luminescência é a geração de luz, sem calor.

Existem duas principais variedades de luminescência, fluorescência e fosforescência, que se distingue pelo atraso na reação à radiação eletromagnética externa.

Os antigos observaram fosforescência na forma de um brilho emitido pelos oceanos durante a noite, e confuso este fenômeno com a queima do fósforo químico, mas, na verdade, fosforescência não tem nada a ver com a queima.

Da mesma forma, a fluorescência, como hoje aplicado em iluminação fluorescente, envolve a criação de nenhum calor, assim, uma forma de iluminação mais eficiente do que o que vem de lâmpadas incandescentes.

Luminescência – O que é

Luminescência Luminescência

O termo luminescência é utilizado para descrever um processo através do qual a luz é produzido excepto por aquecimento.

A produção de luz do calor, ou incandescentes, é familiar a todos. O Sol emite calor e luz, como resultado de reações nucleares em seu núcleo. Uma lâmpada incandescente emite luz quando um filamento de arame no interior da lâmpada é aquecida ao calor branco. Pode-se ler com a luz da chama de uma vela, porque a queima de cera desprende calor e luz.

Mas a luz também pode ser produzida por outros processos em que o calor não está envolvido. Por exemplo, vaga-lumes produzir luz por meio de reações químicas que ocorrem dentro de seus corpos. Eles converter um composto conhecido como luciferina de uma forma para outra. Como ocorre esse processo, a luz é emitida.

Luminescência – Tipo

 Fluorescência

Fluorescência e fosforescência

Duas formas de luminescência pode ser identificado, dependendo da quantidade de tempo de luz emitida continua a brilhar.

Por definição, a fluorescência refere-se à libertação de luz que dura não mais do que cerca de 10 nanossegundos (10 bilionésimos de segundo), após o seu início. Fosforescência se refere à liberação de luz que dura mais de 10 nanossegundos.

Substâncias que brilham no escuro têm muitas aplicações práticas hoje.

Relógios e aparelhos semelhantes, por exemplo, muitas vezes têm seus números e as mãos revestido com tintas fosforescentes para que possamos ver qual é a hora no escuro.

As portas de emergência e escadas também são destacados com estas tintas para que as pessoas podem encontrar seu caminho para fora em caso de uma falha de energia.

Provavelmente a forma mais familiar de fluorescência é uma lâmpada fluorescente.

Luz fluorescente é produzido quando uma corrente elétrica passa através de vapor de mercúrio na lâmpada. Os electrões produzidos a partir do vapor de mercúrio colida com um produto químico pintados no interior da lâmpada, causando fluorescência. No momento em que a lâmpada é desligada, no entanto, o produto químico pára de incandescência. A luz produzida por este processo, por conseguinte, é um exemplo de fluorescência.

Luminescência e Fluorescência

Luminescência Luminescência

A luz é uma forma de energia. Para criar luz, outra forma de energia devem ser fornecidos.

Há duas maneiras comuns para que isso ocorra, a incandescência e luminescência.

Incandescence é a luz de energia térmica. Se você aquecer algo a uma temperatura suficientemente alta, ele vai começar a brilhar. Quando aquecedor de um fogão elétrico ou de metal em uma chama começam a brilhar “vermelho quente”, ou seja incandescência. Quando o filamento de tungstênio de uma lâmpada incandescente comum é aquecida ainda mais quente, que brilha intensamente “branco quente” pelos mesmos meios. O sol e as estrelas brilham pela incandescência.

A luminescência é “luz fria” que pode ser emitida a temperaturas normais e inferior.

Em luminescência, alguma fonte de energia chuta um elétron de um átomo fora de seu estado mais baixo de energia “terra” em uma energia mais elevado estado “animado”; em seguida, o elétron retorna a energia na forma de luz para que ele possa cair de volta ao seu estado “terra”. Com poucas excepções, a energia de excitação é sempre maior do que a energia (comprimento de onda, cor) da luz emitida.

Se você levantar uma pedra, seus músculos estão fornecendo energia para levantar a pedra para uma posição de maior energia. Se você, em seguida, solte a pedra, a energia que você forneceu é liberado, alguns deles sob a forma de som, uma vez que cai de volta à sua posição de baixa energia original. Ele é um pouco ou mesmo com luminescência, com atração elétrica substituindo a gravidade, o núcleo atômico substituindo a terra, um electrão de substituir a pedra, e luz substituindo o som.

Existem diversas variedades de luminescência, cada chamada de acordo com a fonte de energia, ou o gatilho para a luminescência:

Fluorescência e fotoluminescência são luminescência onde a energia é fornecida por radiação eletromagnética (raios tais como a luz, o que será discutido mais tarde). Fotoluminescência é geralmente considerado como significando “luminescência a partir de qualquer radiação eletromagnética”, enquanto que a fluorescência é muitas vezes utilizada apenas para luminescência provocada pela radiação ultravioleta, embora possa também ser usado para outros photoluminescences. A fluorescência é visto em luzes fluorescentes, parque de diversões e do filme de efeitos especiais, a vermelhidão de rubis na luz solar, “dia-glo” ou cores “neon”, e em nebulosas de emissão observados com telescópios no céu da noite. Alvejantes aumentar seu poder de branqueamento com um material fluorescente branca.

Fotoluminescência não deve ser confundido com reflexão, refração, ou dispersão da luz, que causam a maioria das cores que você vê a luz do dia ou luz artificial intensa. Fotoluminescência distingue-se pelo fato de a luz é absorvida por um tempo significativo, e geralmente produz luz de uma frequência que é menor do que, de outro modo, mas independente de, a frequência da luz absorvida.

A quimiluminescência é luminescência onde a energia é fornecida por meio de reações químicas. Esses tubos de plástico brilha no escuro vendidos em parques de diversões são exemplos de quimiluminescência.

A bioluminescência é luminescência causada por reações químicas em seres vivos; que é uma forma de quimioluminescência. Vagalumes brilham por bioluminescência.

Eletroluminescência é luminescência causada por corrente elétrica.

Catodoluminescência é eletroluminescência causado por feixes de elétrons; isto é como imagens de televisão são formados por um (Tubo de raios catódicos) CRT. Outros exemplos de eletroluminescência são luzes de néon, as auroras e relâmpagos. Isso não deve ser confundido com o que ocorre com as luzes elétricas incandescentes comuns, nos quais a eletricidade é usada para produzir calor, e é o calor que por sua vez produz luz.

Radioluminescência é luminescência causada por radiação nuclear. Brilham no escuro os mostradores de relógio usado frequentemente uma pintura com um material radioativo (tipicamente um composto de rádio) e um material radioluminescente. O termo pode ser utilizado para se referir a luminescência provocada pelos raios-X, também chamado de fotoluminescência.

Fosforescência é atrasada luminescência ou “pós-luminescência”. Quando um elétron é expulso em um estado de alta energia, ele pode ficar preso lá por algum tempo (como se você levantou a pedra, em seguida, coloque-o sobre uma mesa). Em alguns casos, os electrões escapar da armadilha no tempo; em outros casos, eles permanecem presos até que algum gatilho recebe-los fracassou (como a rocha permanecerá sobre a mesa até que algo bate-lo). Muitos produtos brilham no escuro, especialmente brinquedos para as crianças, envolvem substâncias que recebem energia da luz, e emitem a energia novamente como luz mais tarde.

Triboluminescência é fosforescência que é desencadeada por ação mecânica ou eletroluminescência animado com eletricidade gerada por ação mecânica. Alguns minerais brilham quando bater ou riscado, como você pode ver, batendo dois seixos de quartzo juntos no escuro. (A luz visível emitida é muitas vezes um efeito de fluorescência secundária, de eletroluminescência no ultravioleta).

Termoluminescência é fosforescência desencadeada por temperaturas acima de um certo limite. Isto não deve ser confundido com a incandescência, que ocorre a temperaturas mais elevadas. Em termoluminescência, o calor não é a fonte primária de energia, apenas o gatilho para a liberação de energia que originalmente veio de outra fonte. Pode ser que todos os fosforescências tem uma temperatura mínima, mas muitos têm um mínimo que desencadeia a temperatura abaixo das temperaturas normais e não são normalmente considerados como thermoluminescences.

Opticamente luminescência estimulada é fosforescência desencadeada pela luz visível ou infravermelho. Neste caso a luz vermelha ou infravermelha só é um gatilho para liberação de energia armazenada anteriormente.

Luminescência, Fluorescência e Fosforescência

Luminescência Luminescência

Qual é a diferença entre a luminescência, fluorescência e fosforescência?

Quando falamos de relógios “luminosas” e tinta, o que realmente significa é fosforescência, que é muito semelhante ao de fluorescência: o processo pelo qual lâmpadas economizadoras de energia fazem pouco.

Materiais fluorescentes produzem luz instantaneamente, quando os átomos dentro deles absorver a energia e tornar-se “animado”. Quando os átomos retornam ao normal, em tão pouco como 1/100000 de segundo, eles dão a energia que lhes animado como partículas minúsculas de luz chamados fótons. Brilhe a luz ultravioleta (UV) em uma TV roubado ou câmera e você pode encontrar o endereço de alguém que brilha para trás em você, escrito em tinta invisível. A tinta é feita de produtos químicos fluorescentes que absorvem a energia da luz UV, tornam-se animado, e em seguida, dar a energia como fótons de luz visível.

Desligue a luz UV e a tinta desaparece novamente.

Às vezes fosforescência dura alguns segundos depois de a energia de estimulação foi removido; às vezes, como em luminosos relógios que dura por horas.

Você provavelmente já percebeu que é preciso um pouco de tempo para “carregar” um relógio luminosa com energia antes que ela vai brilhar no escuro. Você também pode ter notado que um relógio luminoso brilha mais no início da noite. Pelos amanhecer tempo, é tipicamente ficar sem energia e parou de brilhar. Isso deve vir como nenhuma surpresa real. Um relógio não pode fazer pouco do nada em tudo sem violar uma das leis mais básicas da física, a conservação de energia.

Crédito: https://www.portalsaofrancisco.com.br/

Da Alquimia à Química

Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Não é possível falar do surgimento da Química sem nos referirmos à alquimia. As origens da alquimia e da própria Química perdem-se em tempos que não temos registros, pois não se pode afirmar com certeza o início de cada uma, além disso, assim como todo desenvolvimento, a transição de uma para a outra não ocorreu de imediato.

No entanto, considera-se que a alquimia se manteve entre os anos 300 a.C. e 1500 d.C. e se iniciou em Alexandria, cidade fundada em 331 a.C. por Alexandre, o Grande, na foz do Rio Nilo, como capital de seus territórios conquistados no Egito.

Uma forma de pensamento muito antiga que se desenvolveu nessa cidade foi uma arte egípcia, a khemeia, que é a raiz da palavra Química. A khemeia relacionava-se com mistérios, superstições, ocultismo e religião. Isso tudo se somou aos conhecimentos de diversos sábios, dando origem à alquimia.

Ilustração de um laboratório de alquimia

A alquimia se difundiu em diversas civilizações, como pelos chineses, hindus, egípcios, árabes e europeus. Entre os seus ideais inatingíveis estavam principalmente:

  • A pedra filosofal: Os alquimistas acreditavam que seria possível transformar chumbo (e qualquer outro metal) em ouro, a chamada “transmutação”, e que isso seria conseguido por meio de uma peça particular da matéria, a pedra filosofal.
Os alquimistas desejavam transformar chumbo em ouro por meio da pedra filosofal

O alquimista espanhol do século XVI, Arnoldo de Villanova, descreveu a pedra filosofal da seguinte maneira:

Existe na Natureza certa substância pura que, quando descoberta e levada pela Arte a seu estado perfeito, converterá à perfeição todos os corpos perfeitos em que tocar.”1

Essa crença dos alquimistas se baseava nas ideias do filósofo Aristóteles (384-322 a.C.), que afirmou que a matéria era contínua (não formada por átomos como afirmaram corretamente os filósofos gregos Leucipo e Demócrito), e ele aprimorou a ideia dos quatro elementos de Empédocles. Essa ideia dizia que toda a matéria era formada por quatro elementos: água, terra, fogo e ar, e Aristóteles associou a cada um deles duas “qualidades” opostas: frio ou quente; seco ou úmido. Por exemplo, a água estaria associada a úmido e frio, enquanto o fogo estaria associado a quente e seco. Essas ideias de Aristóteles permaneceram por mais de 2000 anos.

Ideia dos quatro elementos de Aristóteles

Baseando-se nisso, os alquimistas pensaram em como cada um desses elementos poderiam se transformar uns nos outros se fosse removida ou adicionada a “qualidade” que possuíssem em comum. Essas ideias justificaram a tentativa de se obter ouro a partir da combinação de outros metais.

  • O elixir da longa vida: Os alquimistas almejavam extrair o maior dos desejos do ser humano: a vida eterna. Procuravam um elixir da longa vida, que permitiria a imortalidade.
Os alquimistas buscavam o elixir da longa vida

Apesar desse lado ritualístico e de nunca se ter alcançado esses objetivos, os alquimistas foram os pioneiros no desenvolvimento de técnicas de laboratório, como a destilação e a sublimação que são usadas até hoje pelos químicos.

No início do século XV surgiu o Renascimento, um movimento artístico e científico que se baseava na racionalidade, ou seja, uma doutrina de que nada existe sem uma razão, sem uma explicação racional, e no experimentalismo. Foi nesse contexto que o modo de pensar dogmático, místico e supersticioso da alquimia começou a ser mudado por uma nova forma de buscar o conhecimento, através da ciência experimental.

No ano de 1493 nasceu Phillipus Aureolus Theophrastus Bombast von Hohenheim, mais conhecido como o médico Paracelso. Apesar de ainda estar ligado à alquimia, ele desenvolveu a iatroquímica, em que a principal finalidade era a preparação de medicamentos apropriados para combater as doenças por meio de fontes minerais. Para ele o corpo era um conjunto de substâncias químicas que interagiam harmonicamente e que, se a pessoa estivesse doente, isso significaria que havia uma alteração dessa composição química, que podia ser eliminada por meio de produtos químicos.

Paracelso e a iatroquímica

Por meio dos trabalhos do filósofo inglês Francis Bacon (1561-1625), a Renascença passou a tomar corpo. Juntamente ao francês René Descartes (1596-1650), o pensamento científico começou a se desenvolver ainda mais, a busca do conhecimento se baseava na experimentação e no uso lógico da matemática. Antes, para que o conhecimento fosse aceito como válido, bastava atender às normas da filosofia; a experiência estava fora de questão.

Em 1543, o polonês Nicolau Copérnico causou uma tremenda revolução, quando propôs que o Sol, e não a Terra, era o centro do universo. Homens como Giordano Bruno, Galileu Galilei e Johannes Kepler contribuíram muito para separar a astrologia da astronomia e a alquimia da Química.

Mas dois cientistas foram marcantes nessa transição para a Química como Ciência, que foram Robert Boyle (1627-1691) e Antoine Laurent Lavoisier.

Robert Boyle nasceu no castelo de Lismore, Irlanda, em 1627. Visto que era de família rica, pôde se dedicar tranquilamente aos estudos. Ele foi chamado por alguns de pai da Química, sendo responsabilizado por transformar a alquimia em Química, pois ele introduziu o “método científico”. Boyle assumiu uma postura totalmente diferente dos alquimistas de seus dias, pois ele publicava abertamente todos os detalhes de seu trabalho, defendia o uso de experiências para comprovar os fatos e não aceitava hipóteses só porque eram consagradas. Seu conceito sobre pesquisas científicas foi descrito em seu livro The Sceptical Chymist (O Químico Cético).

Inclusive, Robert Boyle apoiou fervorosamente uma lei que proibia o uso da alquimia para a produção da pedra filosofal, pois ele considerava esse um objetivo frívolo e materialista.

Robert Boyle foi considerado o “pai da Química”

Foi com essa mudança de pensamento que o século XVII começou. Este foi o século do Iluminismo, sendo que a ciência se distanciava da religião. Foi então que surgiu Lavoisier, que foi considerado o fundador da Química Moderna, pois os seus estudos foram marcados por grande precisão, não só qualitativa, mas principalmente quantitativa. Ele utilizava balanças, realizando pesagens e medições cuidadosas, tinha notável precisão e planejamento. Tudo isso fez com que ele conseguisse explicar fatos que outros cientistas não conseguiram.

Lavoisier derrubou teorias, como a teoria do flogístico, descobriu o oxigênio, explicou a combustão, criou a lei de conservação das massas e lançou o Tratado Elementar de Química, no qual forneceu uma nomenclatura moderna para 33 elementos.

Antoine Laurent Lavoisier foi considerado o fundador da Química Moderna

Desse ponto em diante, a Química já era considerada uma ciência bem fundamentada e estabelecida. Logo retornou a ideia de que tudo seria composto por átomos, havendo uma evolução do modelo atômico e um conhecimento ainda maior da natureza da matéria.

Além disso, vários elementos foram sendo descobertos, além de suas propriedades químicas e físicas, mostrando que ao contrário do que acreditavam os alquimistas, os “quatro elementos” não eram os constituintes do mundo. Outro ponto marcante para o desenvolvimento da Química foi dado por Dmitri Ivanovich Mendeleiev (1834-1907), quando ele descobriu a Tabela Periódica.

Um aspecto interessante das descobertas químicas que relacionam essa ciência com a alquimia foi a descoberta da radioatividade. Durante muitos séculos os alquimistas trabalharam arduamente para transformar chumbo em ouro, e hoje sabemos que o urânio, um elemento radioativo, emite radiações naturalmente e se transforma em chumbo. Isso mostra que um elemento pode se transformar em outro, apenas não do jeito que os alquimistas queriam.

O desenvolvimento da Química como ciência continua só aumentando ao longo dos anos. Se considerarmos que o marco para o surgimento da Química como ciência experimental se deu com os trabalhos de Lavoisier, vemos que a Química tem pouco mais de 200 anos, é uma Ciência relativamente nova. 

1 – Paul Stratern, “O sonho de Mendeleiev: A verdadeira história da Química.”, pág.55.

Meus contatos na rede

social-media-300x203

Caros alunos estou disponibilizando meus contatos na rede de computadores, para que você tenha acesso à todas as minhas publicações, aulas e materiais.

Desejo a todos um excelente 2020 e bons estudos!

Que seja um ano de muito trabalho e sucesso!

Twitter: @alexanderfdiniz

Fan Page: (https://www.facebook.com/professoralexquimica)

Facebook: Alex Diniz II (https://www.facebook.com/alex.diniz.1441)

Email: alexander-diniz@uol.com.br ou alex@portalmedquimica.com.br

Instagram: @alexdiniz1402q

Linkedin: Alexander Diniz (https://www.linkedin.com/in/alexander-diniz-7b80476b/)

“É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem saber ver.”  

Gabriel Garcia Marquez

A Era do Plástico: o uso do material pode marcar o inicio do Antropoceno?

No ritmo que estamos seguindo, tudo indica que o plástico será um dos maiores vestígios que deixaremos para o mundo; pesquisas estimam que de 5 a 12 milhões de toneladas métricas de resíduos plásticos chegam ao mar a cada ano.

Por BBC 
15/09/2019 11h55 
Atualizado há 7 horas

Será que podemos dizer que estamos vivendo a era do plástico?  — Foto: Getty Images/ BBC

Será que podemos dizer que estamos vivendo a era do plástico? — Foto: Getty Images/ BBC 

Imagine como seria uma aula de história em uma escola no ano 3000. 

Que rastros teríamos deixado os estudantes que habitam a Terra? 

Assim como conhecemos hoje as ferramentas primitivas da Idade da Pedra ou as armas mais sofisticadas da Idade do Ferro, que vestígios veriam de nossa era? 

No ritmo que estamos seguindo, tudo indica que o plástico será um dos maiores vestígios que deixaremos para o mundo. 

Um novo estudo revela que a grande quantidade de plástico que usamos está sendo marcada no registro fóssil do planeta. 

Portanto, alguns cientistas afirmam que estamos na Era do Plástico. 

“Estamos usando tanto plástico que é por isso que seremos lembrados”, disse à BBC Jennifer Brandon, bióloga microplástica da Universidade da Califórnia (EUA) e autora da pesquisa.

Um fóssil eterno

Pesquisas estimam que de 5 a 12 milhões de toneladas métricas de resíduos plásticos chegam ao mar a cada ano  — Foto: Getty Images/ BBC

Pesquisas estimam que de 5 a 12 milhões de toneladas métricas de resíduos plásticos chegam ao mar a cada ano — Foto: Getty Images/ BBC

Para chegar a essa conclusão, Brandon e sua equipe analisaram sedimentos do fundo do mar perto da costa da Califórnia, que datam de 200 anos atrás. 

Ao analisar seus compostos, eles notaram que a partir de 1940 a quantidade de plásticos microscópicos dobrava a cada 15 anos. 

Em 2010, quando as amostras foram coletadas, as pessoas estavam depositando plástico no mar a uma taxa 10 vezes maior do que antes da Segunda Guerra Mundial. 

“É como se estivéssemos fazendo chover plástico no oceano”, diz Brandon.

A bióloga diz que sua descoberta reforça a ideia de que o acúmulo de plástico pode ser usado como um indicador do início do Antropoceno, uma era geológica proposta pela comunidade científica que se caracteriza pelas mudanças que os seres humanos causaram no planeta. 

O estudo de Brandon sugere que “nosso amor pelo plástico” é um dos marcos que indicam o início do Antropoceno. 

“O plástico é um marcador biológico perfeito porque nunca se degrada”, diz Brandon. “Dura quase para sempre.”

Uma pegada prejudicial

O plástico é popular há apenas 75 anos, mas a marca que ele deixa é duradoura. 

As amostras analisadas por Brandon e sua equipe revelam que a maior parte do plástico contido no fundo do mar veio de fibras de roupas, mas também foram encontrados fragmentos de materiais de sacolas e outros tipos de partículas. 

Pesquisas anteriores estimaram que de 5 a 12 milhões de toneladas métricas de resíduos plásticos chegam ao mar a cada ano. 

Outros estudos mostraram que os organismos marinhos que ingerem plástico sofrem danos que se espalham por toda a cadeia alimentar. Muitos morrem depois de ingerir o produto. 

Um relatório sobre o futuro dos mares, divulgado recentemente pelo governo do Reino Unido, alertou que a quantidade de plástico no mar pode triplicar em uma década, a menos que o lixo seja contido.

Cinco nações asiáticas – China, Indonésia, Filipinas, Vietnã e Tailândia – respondem por até 60% do lixo plástico que acaba nos oceanos, de acordo com um relatório de 2015 da Ocean Conservancy e do McKinsey Center for Business and Environment. 

Com esse tipo de resíduo despejado na água em uma escala que chega a milhões de toneladas por ano, desde plânctons minúsculos até baleias enormes acabam ingerindo esse material acidentalmente ao se alimentar ou ao confundi-lo com o próprio alimento. A explicação de pesquisadores é que o plástico não só parece, mas também tem cheiro de comida. 

Uma questão existencial

Brandon diz que os seres humanos “se tornaram dependentes do plástico”, mas adverte que ela não defende sua eliminação completa de nossas vidas. 

Para ela, a chave é mudar alguns hábitos e usar apenas o estritamente necessário. 

“É uma questão existencial”, diz ela. 

“Nossas decisões diárias estão sendo registradas no oceano. Queremos ser lembrados por essa quantidade de plástico?”

James Harris, um cientista negro que ajudou a descobrir dois elementos

Muitos químicos estiveram envolvidos no desenvolvimento da tabela periódica. Dentre eles encontramos James Andrew Harris, o primeiro afro-americano que contribuiu para descobrir um novo elemento. As descobertas de Harris ocorreram no final dos anos 60. Harris foi um membro essencial da equipe do Lawrence Berkeley Laboratory que descobriu dois elementos: 104, rutherfórdio, detectado em 1964, e o E105, Dúbnio, detectado em 1970.

Harris nasceu em Waco, Texas, em 1932 e foi criado por sua mãe depois que seus pais se divorciaram. Ele deixou Waco para cursar o ensino médio em Oakland, Califórnia, mas retornou ao Texas para estudar ciências no Huston-Tillotson College, em Austin. Depois de se formar em química em 1953 e servir no Exército, ele enfrentou as dificuldades de encontrar um emprego como cientista negro. Ele persistiu e conseguiu emprego em 1955 no Tracerlab, um laboratório de pesquisa comercial em Richmond, Califórnia. Cinco anos depois, ele aceitou um cargo no Lawrence Radiation Lab (mais tarde renomeado Lawrence Berkeley Laboratory), uma instalação do Departamento de Energia operado pela Universidade da Califórnia.

Lá ele trabalhou na Divisão de Química Nuclear como chefe do Grupo de Produção de Isótopos Pesados. Sua responsabilidade era purificar e preparar os materiais alvo atômicos que seriam bombardeados com carbono, nitrogênio ou outros átomos em um acelerador, em um esforço para criar novos elementos. O processo de purificação foi extremamente difícil, e Harris foi considerado altamente meticuloso na produção de alvos de excelente qualidade.

Harris era tão respeitado por esse trabalho que seus colegas continuaram dizendo que seu alvo era o melhor já produzido em seu laboratório. Os alvos de Harris permitiram que as descobertas de rutherfórdio e Dúbnio ocorressem. Eles foram especialmente importantes quando ocorreram durante a Guerra Fria, na mesma época em que cientistas russos do Instituto Conjunto para Pesquisa Nuclear estavam tentando o mesmo trabalho. Ambos os elementos são considerados superpesados, o que significa que eles contêm mais de 92 prótons em seu núcleo, e são altamente instáveis, radioativamente decaindo tão rapidamente que a forma mais estável de rutherfórdio tem uma meia-vida de apenas 1,3 horas.

Após a descoberta, Harris continuou a trabalhar no Laboratório Lawrence Berkeley, onde era ativo em química de pesquisa nuclear. Ele dedicou muito do seu tempo livre para recrutar e apoiar jovens cientistas e engenheiros negros, muitas vezes visitando universidades em outros estados. Harris até trabalhou com alunos do ensino fundamental, particularmente em comunidades sub-representadas, para estimular seu interesse pela ciência. Esses esforços trouxeram muitos prêmios de organizações cívicas e profissionais, incluindo a Urban League e a National Organisation for the Professional Advancement of Black Chemists e Chemical Engineers.

Harris tinha seu próprio cartão comercial de uma campanha criada pela Educational Science Books. A empresa adotou a ideia de cartões de beisebol e, em vez disso, fez cartões comerciais para os cientistas, um item que provou ser um ótimo quebra-gelo para Harris com as crianças que ele visitou. Seu compromisso o levou a ser um membro dos Big Brothers of America, da Associação de Pais e Mestres e do Conselho de Normas da Far West High School.

Harris se aposentou do laboratório em 1988. Embora seu trabalho comunitário continuasse, a maior parte de seu tempo era dedicada à família, viagens e golfe. Harris, junto com sua esposa, muitas vezes se juntou a amigos em todos os Estados Unidos, no Caribe e nas ilhas do Pacífico para partidas amistosas de golfe. Ele morreu de uma doença súbita em dezembro de 2000, aos 68 anos de idade. Mesmo com todas as suas realizações, Harris é mais lembrado por seus colegas por suas qualidades pessoais e por seu impacto na tabela periódica que continua a viver.

Fonte: Insights Acadêmicos da Oxford University Press para o Mundo Pensante

Os resíduos químicos nas frutas e legumes

A existência de resíduos químicos em alimento é uma preocupação pois já foram relatados diversos casos de entoxicação devido a presença de contaminantes. A remoção desses resíduos químicos de alimentos como frutas e legumes está relacionada a muitos fatores, como as propriedades do produto químico, o tipo de vegetal, o procedimento de processamento e a aplicação do produto químico.

Agora, quanto mais tempo um pesticida estiver em uma cultura, mais difícil é removê-lo. Uma maneira mais simples e eficaz de reduzir a exposição a resíduos químicos é descascar frutas antes de comer, ou aparar camadas externas de vegetais, como cebolas, antes de cozinhar. Sendo que a imersão em um banho químico é o método mais eficaz para remover o resíduo químicos. Dentre os agentes químicos,  o uso de bicarbonato de sódio tem sido apontado como uma forma de remover resíduos químicos. 

Um estudo de 2017, publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry, observou que uma solução de bicarbonato de sódio de duas colheres de chá por litro de água era mais eficaz que a água sanitária, levando de 12 a 15 minutos para remover a maioria dos pesticidas não sistêmicos aplicados recentemente. resíduos. Lavar os vegetais em água fervente por um minuto é outro método muito bom, se for seguido mergulhando-os em água gelada ou enxaguando sob água corrente fria para remover qualquer produto ou metabólito degradado que for formado. 

Fonte: Portal do clube da química